domingo, 18 de fevereiro de 2018

SÁBADO DA 1ª SEMANA DA QUARESMA: “Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem” (Mt 5,43-48).

A caminhada que nos conduz à Páscoa é bastante movimentada e dinâmica. Um itinerário exigente, que nos confere maior disciplina, numa vida mais responsável e bem mais cristã. Somos sabedores que tal disciplina é sempre marcada pela oração, pelo jejum e pela caridade. Mas é preciso percebemos qual a oração que mais agrada a Deus. Vamos aos poucos experimentando ainda o jejum que nos deixa mais sensíveis ao amor de Deus, por meio das atitudes que nos fazem experimentar a sua santa vontade, traduzida pela caridade dispensada aos irmãos. Com tudo isso, percebamos que, no evangelho deste sábado, Jesus nos pede um pouco mais. Ao falar sobre a relação de amor com as pessoas, pede-nos um amor mais exigente. Explica aos seus discípulos que PARA SE AMAR DE VERDADE, É NECESSÁRIO AVANÇAR EM MEIO ÀS NOSSAS RELAÇÕES. Na oração, é preciso dedicar amor àqueles que dedicam ódio e desprezo. O DEUS AMOR, CONFIA A TAREFA AO DEUS AMADO DE FAZER COM QUE ENTENDAMOS QUE É PRECISO DISPENSAR AMOR AOS QUE NÃO SABEM O QUE É AMAR. Muitas vezes encontramos dificuldade em amar os que são causa de sofrimento para nós porque pensamos que amar é sinônimo de gostar. Amar, na perspectiva cristã é muito mais do que um gosto afetivo. AMAR É NÃO SER INDIFERENTE. AMAR É SE SENTIR RESPONSÁVEL PELA PAZ E FELICIDADE INTERIOR DO OUTRO. Assim como Deus fez uma aliança de amor conosco, correspondamos à altura (1ª leitura – Dt 26,16-19).  Apresentemos, por meio de nossas relações, o desejo de rezar pelos que nos ofendem, a fim de nos esvaziarmos de todo mal (jejum). Quem assim age, talvez nem perceba que estará agindo com caridade em prol daqueles que sonham com nossa derrota e sofrimento. JESUS FALOU SOBRE AMAR O INIMIGO, MAS NÃO FICOU PRESO ÀS PALAVRAS. PROVOU-NOS O QUE É AMOR DE VERDADE QUANDO ESTEVE PRESO À CRUZ. Que as nossas cruzes nos tornem capazes de conjugar o verbo amar em todos os instantes das nossas vidas. Feliz aquele que compreende o que esta lição quaresmal oferece a todos nós! Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

SEXTA-FEIRA DA 1ª SEMANA DA QUARESMA: “Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da lei e dos fariseus, vós não entrareis no reino dos céus” (Mt 5,20-26).


A Quaresma é sempre um tempo especial para nos aproximarmos da Misericórdia de Deus. Contudo, PARA SERMOS INSTRUMENTOS DE MISERICÓRDIA, PRECISAMOS OBSERVAR BEM A SUA JUSTIÇA NO MEIO DE NÓS. É sobre a justiça divina que as leituras de hoje chamam a nossa atenção. Deus age sempre com misericórdia. Está sempre pronto a nos perdoar, manifestando o seu infinito amor por nós. Mas DEUS É TÃO MISERICORDIOSO QUANTO JUSTO. NÃO BASTA ESTARMOS ARREPENDIDOS DAS NOSSAS FALTAS. PRECISAMOS ASSUMIR O BOM PROPÓSITO DA REPARAÇÃO, ISTO É, DA MUDANÇA DE VIDA. Caso contrário, continuaremos a manter a postura dos fariseus que “obedeciam” a lei, faziam tudo o que era para ser feito, mas não davam às suas práticas, uma boa dosagem de amor e misericórdia. É sobre estas coisas que hoje a Palavra de Deus suscita e a Igreja pede que possamos nos preparar bem para alcançarmos a conversão, através da prática do sacramento da confissão. QUARESMA É TEMPO DE NOS RECONCILIARMOS COM DEUS, ENTENDENDO QUE JÁ ESTAMOS RECONCILIADOS COM OS NOSSOS IRMÃOS. Reconciliar é reconhecer que houve uma falta e, a partir daí, buscar a reparação. O profeta Ezequiel hoje nos recorda mais uma vez que é preciso, de forma bem concreta, fazermos o exame de nossa consciência, a fim de superarmos fielmente o que nos fez experimentar o pecado, mas estarmos convictos de que é preciso, mais do que nunca, vivermos sempre pautados pela justiça (1ª leitura – Ez 18,21-28). Num mundo tantas vezes dilacerado pela opressão, pela humilhação e pela divisão, vivamos sempre em prol da justiça. O QUE TANTO DESEJAMOS QUE DEUS FAÇA PARA CONOSCO, MOTIVEMO-NOS PARA QUE POSSAMOS AGIR TAMBÉM ASSIM COM OS OUTROS. Caso contrário, de nada valerão as nossas práticas de piedade. É Jesus quem critica aquele que oferece a sua oferta, enquanto esconde a ofensa que fez ao seu irmão. Estas coisas devem ser bem mais evidenciadas, para que a nossa prática quaresmal seja bem mais verdadeira e, é claro, bem mais cristã. Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

QUINTA-FEIRA DA 1ª SEMANA DA QUARESMA: “Pedi e vos será dado! Procurai e achareis! Batei e a porta vos será aberta” (Mt 7,7-12).

Novamente o tema da oração ganha destaque na Palavra de Deus que esta quinta-feira nos oferece. Trago comigo a lembrança de um professor que dizia que quando as coisas começam a ir mal, isto é um sinal de que já deixamos de rezar há um bom tempo. A ORAÇÃO NÃO É MAGIA. NÃO SÃO PALAVRAS DE ENCANTO OU FÓRMULAS ESOTÉRICAS A TRANSMITIR TRANQUILIDADE E SATISFAÇÃO PARA A VIDA DAQUELE QUE AGE MOVIDO POR ELAS. A ORAÇÃO É, ANTES DE TUDO, A CERTEZA DE QUE NÃO NOS BASTAMOS. QUEM REZA, CRÊ QUE EXISTE UM SER MAIOR QUE TUDO REGE, INCLUSIVE AS NOSSAS VIDAS. REZAR É DIALOGAR COM DEUS. Jesus, no evangelho de hoje, lembra-nos que é preciso dialogar com Deus em forma de súplica. Ele nos faz entender que TODO PEDIDO, QUANDO FEITO DE CORAÇÃO, ENCONTRA RESPOSTA NO CORAÇÃO DE DEUS. Todavia, não é simplesmente pedir. Há pessoas que, infelizmente, usando o nome de Deus de forma vã e irresponsável, pedem o mal para alguém, por exemplo. Aquele gênio da lâmpada que atende prontamente os pedidos de seu amo e senhor é coisa de história infantil. E nossa fé não deve ser infantil. Peçamos com coerência, para que as benevolências de Deus atinjam as nossas vidas. Peçamos primeiramente discernimento, para que Deus esteja sempre mais em nossas mentes e corações. AINDA QUE NÃO O PEÇAMOS, APRENDAMOS A CONTEMPLAR O AMOR DE DEUS QUE VEM AO NOSSO ENCONTRO. Só conseguiremos rezar quando soubermos amar a Deus, afinal, ninguém pede nada a um desconhecido. Saibamos agir com maturidade, para que a nossa oração desenvolva em nós a necessidade de rezarmos por meio de cada atitude que desempenhamos no transcorrer de nossos dias. Aprendamos com o gesto de Ester (1ª leitura – Est 4,17). Como rainha, tinha o poder em suas mãos. Mas sabia muito bem que o poder ilimitado e sensato sempre pertenceu a Deus. O que ela pediu não foi para si, mas para os seus. ORAÇÃO BONITA É AQUELA QUE PEDE PELOS OUTROS NA CERTEZA DE QUE DEUS NÃO SE ESQUECE DE NINGUÉM. Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

QUARTA-FEIRA DA 1ª SEMANA DA QUARESMA: “Nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal de Jonas” (Lc 11,29-32).

Há um provérbio latino que diz: “aos atrasados, apenas os ossos”, ou seja, é preciso ter mais atenção e cuidado com o momento de se fazer refeição, caso contrário, poderemos ficar sem o alimento. Mas existe ainda o ditado popular que diz: “o apressado sempre come cru”. QUEM NÃO SABE ESPERAR O TEMPO CERTO, INFELIZMENTE DEVERÁ SE CONTENTAR COM QUALQUER COISA FORA DO PONTO. Estes pensamentos nos ajudam um pouco a entendermos a reflexão desta quarta-feira quaresmal. NO EVANGELHO, JESUS OBSERVA UM POVO MUITO SEM COMPASSO. APRESSADOS EM AGIR DE MANEIRA LEVIANA E IRRESPONSÁVEL, MAS LENTOS PARA FAZEREM DAS SUAS VIDAS UMA PRESENÇA SEMPRE MAIS DIRECIONADA ÀS COISAS DE DEUS. Ouviam Jesus, porém não se contentavam apenas em escutá-lo. Queriam uma saída mais concreta, sem precisar esperar. Parece muito com a nossa realidade. UM POVO MOVIDO A MUITA RAPIDEZ, NUNCA SERÁ CAPAZ DE APRENDER COM AS DEMORAS DE DEUS. É para isto que a Igreja nos oferece um tempo de 40 dias, a fim de que não fiquemos sem o alimento precioso da nossa fé, muito menos tenhamos que saboreá-lo de qualquer forma. Jesus falou que o bom sinal da maturidade para a conversão seria o sinal do profeta Jonas (1ª leitura – Jn 3,1-10). Jonas foi um sinal para os ninivitas alcançarem a conversão. Caso contrário, a cidade de Nínive seria destruída após um prazo de 40 dias. SERÁ QUE NESTA QUARESMA, ESTAMOS CAMINHANDO BEM, PARA NÃO VERMOS A NOSSA VIDA SENDO TAMBÉM DESTRUÍDA POR CONTA DOS NOSSOS PECADOS? ESTAMOS TAMBÉM COLABORANDO PARA EVITARMOS A DESTRUIÇÃO DA NOSSA CASA COMUM QUE É A NOSSA CIDADE E O NOSSO MUNDO, COMO NOS SUGERE A CAMPANHA DA FRATERNIDADE COM A REFLEXÃO SOBRE OS NOSSOS BIOMAS? Deus enviou Jonas para agir com misericórdia, a fim de alertar aquele povo. Saibamos agir assim também, observando o maior sinal de nossas vidas: o próprio Jesus que morreu na cruz para que o pecado não nos destruísse. Agindo bem nesta cidade terrestre que é o nosso mundo, a cidade celeste será nosso prêmio e garantia. Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

TERÇA-FEIRA DA 1ª SEMANA DA QUARESMA: “Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos” (Mt 6,7-15).

Um dos importantes instrumentos quaresmais é a oração. A Igreja nos propõe a intensificarmos a oração nestes dias, a fim de que o resultado desta caminhada seja sempre mais favorável. Por esta razão a liturgia de hoje nos apresenta Jesus no evangelho ensinando os seus discípulos a exercitarem a verdadeira oração que agrada a Deus. Com este intuito, Jesus oferece-lhes a oração do PAI NOSSO. Todos nós conhecemos bem esta oração. Rezamos o Pai Nosso através das nossas orações pessoais, no santo terço e na igreja, quando participamos da santa missa. Contudo, numa observância sempre mais quaresmal, compreendendo que a oração deve estar unida à caridade e ao jejum, será que vivemos cada palavra que Jesus ensinou com esta oração, ou simplesmente a rezamos de forma automática, muitas vezes desconectada da nossa realidade? Ganha força nos dias de hoje uma oração muito simplória e intimista. Uma oração que é mais conversa do que diálogo, isto é, falo com Deus com várias palavras, na espera que Ele me ouça e me atenda. Mas não aprendo a contemplar o que estou rezando, a fim de deixar que Deus também fale a mim. A oração deve ser silenciosa, mais QUALITATIVA do que QUANTITATIVA. Há aqueles que buscam orações poderosas, orações de cura e aquelas com resultados apressados, quase como num passe de mágica. A ORAÇÃO, QUANDO VERDADEIRA, É DESPRENDIDA. NÃO COBRA NADA DE DEUS, POIS SABE QUE ELE JÁ ENTENDE O QUE É MELHOR PARA NÓS. Querendo pedir algo aos céus, peçamos também pelos outros. UMA ORAÇÃO DE INTERCESSÃO É MUITO MAIS LEGÍTIMA E AGRADÁVEL A DEUS. QUEM PEDE PELOS OUTROS, APRENDE O QUE É FAZER A SINTONIA DA ORAÇÃO COM A CARIDADE. Deus já está sintonizado conosco. Estejamos também atentos ao que Ele faz por nós. Uma oração bem vivida e bem relacionada com o mundo, como diz o Profeta Isaías, assemelha-se à chuva que cai na terra para fazê-la fecundar e germinar as suas sementes (1ª leitura – Is 55,10-11). Seja assim também a nossa oração: fecunda, para ser capaz de fortalecer a nossa relação com Deus, através dos nossos irmãos. Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

SEGUNDA-FEIRA DA 1ª SEMANA DA QUARESMA: “’Vinde, benditos de meu Pai!’” (Mt 25,31-46).

A caminhada quaresmal é, antes de tudo, um apelo que a Igreja nos faz para vivermos buscando sempre a santidade. A VIDA DO CRISTÃO CONSISTE EM BUSCAR E ALCANÇAR UMA VIDA SANTA. Santos não somente os que honram a graça dos altares, mas TODOS AQUELES QUE VIVEM OS PRINCÍPIOS DO EVANGELHO, EM COMUNHÃO COM DEUS E COM OS IRMÃOS. A mesma santidade que nos é oferecida através da nossa oração pessoal, com a nossa participação na santa missa e através dos atos de piedade e de devoção a que estamos acostumados, encontra ainda mais peso e sentido quando conseguimos sair do amor de nós mesmos até aplicarmos este mesmo amor, acolhendo aqueles que necessitam. ACOLHER O POBRE, O FAMINTO, O PRESO... AQUELE QUE VIVE AS MISÉRIAS DESTA VIDA É UMA GRANDE ATITUDE QUE SOMENTE OS SANTOS PODERÃO VIVER E COMPREENDER. Quem assim age, torna-se uma pessoa bendita para Deus. BENDITOS SÃO AQUELES QUE ENXERGAM NOS PEQUENOS E NECESSITADOS O ROSTO DE DEUS. Jesus hoje nos relembra que SANTIDADE É A BUSCA DA JUSTIÇA. A justiça que se torna sempre necessária e bem mais importante quando assumimos os exercícios quaresmais NÃO APENAS NUM TEMPO DE 40 DIAS, MAS PARA TODA A NOSSA VIDA. Os justos desejam incessantemente agir conforme a perfeição que Deus oferece. ESTA PERFEIÇÃO OCORRE A CADA INSTANTE QUE SAÍMOS DE NÓS AO ENCONTRO DO OUTRO. SER SANTO É ESTARMOS ATENTOS A ESTAS COISAS. COBRANDO E FAZENDO POR ONDE ACONTECER. Foi isso também que Deus pediu a Moisés (1ª leitura – Lv 19,1-2.11-18). É Jesus e a sua Igreja que nos querem assim! Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

1º DOMINGO DA QUARESMA (ANO B): ”O Espírito levou Jesus para o deserto. E Ele ficou no deserto durante quarenta dias e aí foi tentado por satanás” (Mc 1,12-15).


Estamos no início da Quaresma e a Palavra de Deus deste primeiro domingo quaresmal é um convite para fazermos a experiência de estarmos num deserto. Sozinhos, porém jamais solitários. Deus é sempre o nosso abrigo e amparo. O evangelho fala que o Espírito Santo conduziu Jesus até o deserto. É certo que lá Jesus foi tentado, mas não caiu em nenhuma tentação. Nenhuma cilada humana poderia invadir o coração d’aquele que se fez humano, mas nunca deixou de ser Deus e de ser de Deus. Jesus quis se assemelhar a nós até mesmo nos instantes mais sinuosos e tenebrosos da vida. Fez uma experiência desértica por 40 dias, como nos aponta o evangelho. É o que a Igreja almeja a cada um de nós neste tempo que nos remete à Páscoa do Senhor. 40 é sempre símbolo de preparação e de purificação. Purifiquemos o nosso coração! Deixemos de lado todas as mazelas e obscuridades que teimam em se alojar na nossa mente e no nosso coração. Deus é sempre fiel. Precisamos nos apropriar de todas as reflexões da Quaresma, a fim de agirmos de forma recíproca, leal e verdadeira. Sua aliança é sempre o maior suporte que a nossa vida humana e frágil poderá encontrar. “Este é o sinal da aliança que coloco entre mim e vós”, disse o próprio Deus depois da realidade do dilúvio (1ª leitura – Gn 9,8-15). Seja esta a certeza a tomar conta dos nossos propósitos de reparação e de conversão em mais uma santa Quaresma. E que a nossa rebeldia que se dá através do pecado e das nossas maledicências, não seja maior do que a garantia de que Deus nos purifica e nos equilibra novamente, a partir da vitória de seu Filho Jesus naquela cruz. “O justo pelos injustos, a fim de nos conduzir a Deus”, lembra-nos São Pedro neste primeiro domingo quaresmal (2ª leitura – 1Pd 3,18-22). Vençamos as nossas tentações! Deixemos que o Espírito de Deus nos faça perceber a aliança de amor que Ele insiste em fazer conosco! Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam