sexta-feira, 19 de maio de 2017

SEXTA-FEIRA DA 7ª SEMANA DA PÁSCOA (ANO A): “Tu sabes tudo, tu sabes que eu te amo” (Jo 21,15-19).

Chegando ao momento culminante da Páscoa, Jesus nos convida a refletirmos mais um pouco sobre o seu amor por nós e o nosso amor pelos outros. Afinal, tudo cessará um dia, mas o amor PERMANECERÁ. Num diálogo bonito e gostoso de ver, Jesus observa Pedro manifestando o seu sincero amor por Ele. Este amor foi tão sincero que Pedro deu a sua vida. Não mediu esforço algum. O evangelho, por três vezes, mostra-nos a pergunta de Jesus ao discípulo pescador: “Pedro, tu me amas?”. Para nos tornarmos ainda mais íntimos a Jesus, podemos substituir o nome de Pedro pelo nosso próprio nome. E aí? Será que amamos a Jesus e ao seu projeto de vida com o mesmo amor de Pedro? Pedro negou Jesus outrora, isto é verdade. Negou três vezes e por isso Jesus também perguntou três se ele o amava de fato. DEUS NOS AMA TANTO, QUE NORTEIA O NOSSO AGIR E PENSAR SEMPRE PELO AMOR. Chegando ao término desta caminhada pascal, Jesus quer perceber a intensidade do nosso amor para com Ele, pois quer confiar a sua missão aos que assumem as consequências e os desafios sem abrir mão do desejo incessante de ver o amor vencer. Por isto este diálogo exibido pelo evangelho nos leva a nos identificarmos com São Pedro. Este homem, sem deixar a sua humanidade de lado, amou Jesus profundamente. Desde aquele encontro na beira da praia, com as redes nas mãos, até os momentos mais árduos e difíceis da missão. Façamos o mesmo! Demonstremos que amamos não somente com palavras. Digamos como Pedro. NO DIA-A-DIA, NOS ALTOS E BAIXOS, NAS RENÚNCIAS E DELEITES DA VIDA, SEJAM AS NOSSAS ATITUDES A DEMONSTRAREM QUE JESUS SABE DE VERDADE QUE O AMAMOS. Assim também aconteceu com São Paulo. Perseguido e preso permaneceu fiel a este amor (1ª leitura – At 25,13b-21). Tinha uma vida guiada pelo Espírito Santo, pois tinha amor no coração. A Páscoa está prestes a ser concluída, mas o projeto de amar não. Quanto mais amamos a Deus, mais descobrimos que temos ainda muito a amar. Vivamos por amor! Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

quarta-feira, 17 de maio de 2017

QUINTA-FEIRA DA 7ª SEMANA DA PÁSCOA (ANO A): “Que cheguem à unidade perfeita” (Jo 17,20-26).

Recordo mais uma vez o apelo que a Igreja nos faz nestes dias, por ocasião da SEMANA DE ORAÇÃO PELA UNIDADE DOS CRISTÃOS. Viver a unidade nunca foi algo fácil. A diferença muitas vezes não é bem recebida ou assimilada por nós. A nossa Igreja Católica, especialmente a partir do Concílio Vaticano II (1962-1965), elaborou e ofereceu ao mundo todo, uma importante e necessária reflexão acerca do ECUMENISMO. Somos todos partícipes de diferentes raças, culturas e povos. Tudo isto se adequa também à nossa compreensão e vivência acerca do sagrado. NÃO PODEMOS E NEM DEVEMOS OBRIGAR QUE TODOS VIVAM COMO NÓS QUEREMOS QUE VIVAM. NO RESPEITO À DIFERENÇA, PODEMOS CAMINHAR DE MÃOS UNIDAS. O pecado habita exatamente quando falta o respeito e se propaga a INDIFERENÇA. Não poderá jamais prevalecer o meu jeito de ver o mundo, tampouco o jeito do outro. Esta diferença, portanto, leva-nos ao maravilhoso e também necessário exercício do diálogo. SAIBAMOS OUVIR E ACOLHER A DIFERENÇA QUE ESTÁ AO NOSSO ALCANCE, SEM JAMAIS DEIXAR DE SERMOS QUEM SOMOS. Isto é ecumenismo. Não entendamos a prática ecumênica como um artifício para colocarmos todos os nossos costumes e compreensões acerca da experiência com Deus num mesmo viés, numa mesma relação sagrada. Aí seria o que se entende por sincretismo religioso. O ECUMENISMO ACONTECE NO RESPEITO E NO ACOLHIMENTO À CERTEZA DE QUE O OUTRO É DIFERENTE. Que todas as igrejas cristãs compreendam esta necessidade. NAQUILO QUE NOS IDENTIFICAMOS, DAMO-NOS AS MÃOS. NAS DIVERGÊNCIAS DOUTRINAIS NOS RESPEITAMOS. Oferece-nos também uma grande lição o texto dos Atos dos Apóstolos que nos é apresentado como primeira leitura para hoje (1ª leitura – At 22,30;23,6-11). São Paulo, prestes a ser condenado pelos judeus, defendendo a ressurreição e sua fé em Jesus ressuscitado, não se intimidou. Mas, soube acolher a diferença e fez com que o seu testemunho despertasse naqueles doutores da lei, a necessidade de conviverem com o diferente. REZEMOS PELA UNIDADE NA FAMÍLIA, NO TRABALHO E NA SOCIEDADE, A FIM DE SERMOS IGUAIS NO DESEJO DE VIVERMOS EM HARMONIA, PAZ E FELICIDADE. É ESSE O TESTEMUNHO QUE A NOSSA FÉ NOS FAZ ALCANÇAR. Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

QUARTA - FESTA DA VISITAÇÃO DE NOSSA SENHORA: “Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia” (Lc 1,39-56).

Num dia tão especial, onde a devoção popular nos ajuda a render graças a Deus pela presença de Nossa Senhora, como aquela que direciona o nosso amor e o nosso olhar para Jesus, a liturgia de hoje nos faz contemplar a visita que fez Maria à sua prima Isabel. HOJE É O DIA DA VISITAÇÃO DE NOSSA SENHORA OU PODEMOS TAMBÉM DIZER QUE HOJE É O DIA DA NOSSA SENHORA DA VISITAÇÃO. Maria, repleta de alegria pela dádiva que Deus a concedeu, quando, por meio do anjo, afirmou que gostaria de contar com ela no projeto de salvação, dando a honra de ser a mãe de Jesus, resolve visitar a sua prima Isabel. O evangelho, com os detalhes que são apresentados, enobrece o sentido desta celebração. MARIA, JOVEM E MEIGA, DIRIGE-SE APRESSADAMENTE PARA UMA REGIÃO MONTANHOSA. AS VERDADEIRAS ALEGRIAS NOS FAZEM TER PRESSA, A FIM DE VERMOS INSTAURADO ENTRE NÓS A PRESENÇA DO AMOR DE DEUS. Era o cumprimento da promessa. Por isso Maria visita. Quer transmitir a mensagem de que Deus também a visitou. Isabel, grávida e idosa, faz com que nós percebamos também que AS DEMORAS DE DEUS NOS ENCHEM DE EXPECTATIVA E DE ÂNIMO. Maria teve pressa de anunciar as maravilhas que Deus havia feito em sua vida. Isabel soube esperar os desígnios de Deus acontecendo também em suas entranhas. NESTA DATA DE TANTA ESTIMA AO POVO CATÓLICO, POSSAMOS COROAR NOSSA SENHORA EM NOSSOS CORAÇÕES, PARA QUE A SUA PRESENÇA SEMPRE FIEL E CATEQUÉTICA, AJUDE-NOS A COMPREENDER QUE PRECISAMOS PERCEBER QUE DEUS CONTINUA A VISITAR A HUMANIDADE, NOS MAIS DIVERSOS SENTIDOS DA VIDA. E, uma vez percebendo tamanha e impressionante visita, possamos também visitar os sedentos pelo amor de Deus em nossas vidas. Cantemos de alegria a presença do nosso Deus que um dia visitou Maria e com ela continua a nos visitar (1ª leitura – Sf 3,14-18). EXULTEMOS NO AMOR DE DEUS EM CADA UM DE NÓS, PARA QUE POSSAMOS TER FÔLEGO, COMO NOSSA SENHORA, PARA SUBIRMOS A MONTANHA QUE NOS FAZ AVISTAR E CONTEMPLAR A PRESENÇA DE DEUS. Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

TERÇA-FEIRA DA 7ª SEMANA DA PÁSCOA (ANO A): “Rogo por aqueles que me deste” (Jo 17,1-11).

Vivendo a última semana da Páscoa, estamos realizando a Semana de Oração pela unidade dos Cristãos. É PELA UNIDADE QUE CHEGAMOS A DEUS QUE NOS QUER TODOS JUNTOS, EM BUSCA DO SEU AMOR. Pensando nisso, e também observando o árduo exercício da missão confiada aos seus discípulos, Jesus, no evangelho de hoje, oferece ao Pai a sua mais pura e forte prece por TODOS os que se comprometem com o anúncio do Reino de Deus. NÓS, HUMANOS QUE SOMOS, MUITAS VEZES OBSERVAMOS AS COISAS A PARTIR DO ÂNGULO QUE ESTAMOS ACOSTUMADOS A ENXERGAR O MUNDO. QUANDO NOS COLOCAMOS NO LUGAR DO OUTRO, SEM DEIXAR DE SER QUEM SOMOS, CERTAMENTE ESTAREMOS MAIS APTOS A ACOLHER A DIFERENÇA. Isto também é possível e necessário a partir do diálogo que nos compromete sempre com a busca da verdade e do bem para todos. JESUS QUER NOS VER SEMPRE JUNTOS. Com nossas diferenças, mas vivendo a unidade. NÃO SOMOS CÓPIAS. SOMOS INDIVÍDUOS QUE CARREGAM SUAS PARTICULARIDADES. O QUE NOS FAZ SER IGUAIS, É A SEDE E A NECESSIDADE DE APRENDER COM O DIFERENTE, DE ACOLHER O OUTRO COMO PORTADOR DE UMA MENSAGEM QUE TRANSMITE MATURIDADE E ESPERANÇA. Por isso queremos acolher a oração sacerdotal de Jesus ao Pai, como súplica fervorosa em prol da unidade dos cristãos. NADA DEVE SER DO NOSSO JEITO, MUITO MENOS SEMPRE DO JEITO DOS OUTROS. MAS, APRENDENDO A CEDER DE FORMA RESPONSÁVEL E EQUILIBRADA, CERTAMENTE ESTAREMOS OPTANDO PELO MELHOR, QUE É A UNIDADE ALMEJADA POR JESUS. Tudo igualzinho leva a monotonia e ao desgaste. Aprendendo com o diferente seremos sempre imagem e semelhança de Deus. E o Espírito Santo nos edifica a termos sempre esta compreensão (1ª leitura – At 20,17-27). Mesmo diante das diferentes culturas, São Paulo soube primar pelo respeito e pelo acolhimento ao diferente, discernindo tudo através do Espírito Santo. PRESTES A CELEBRAR O DIA DE PENTECOSTES, PEÇAMOS AO ESPÍRITO SANTO QUE NOS FAÇA TER CONDIÇÕES DE ACOLHER O DESEJO DE JESUS AO PAI, PARA QUE TODOS POSSAMOS SER UM, NA VIDA, NO AMOR E NO RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. Só teremos a ganhar tomando esta decisão. Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

SEGUNDA-FEIRA DA 7ª SEMANA DA PÁSCOA (ANO A): “No mundo, tereis tribulações. Mas tende coragem! Eu venci o mundo!” (Jo 16,29-33).

Estas palavras de Jesus são realmente animadoras ao nosso coração. Ele não nos isenta dos percalços da vida, mas nos pede coragem para sabermos suportá-las e sermos convictos de que, ENQUANTO O MAL IMPERAR EM NÓS, NÃO CHEGAMOS AINDA AO FINAL DE NOSSA JORNADA. PROCUREMOS O QUE É DO ALTO, MAS COM PERSPECTIVAS DE QUE A NOSSA VIDA AQUI NA TERRA SE FAZ PERENE NUM CONSTANTE CAMINHAR COM OS IRMÃOS. Ontem celebramos o dia do intermédio da terra com o céu, por ocasião da Ascensão do Senhor. Nestes dias últimos da Páscoa, caminhamos em direção à confirmação de nossa fé com a celebração de Pentecostes. O ESPÍRITO SANTO FOMENTA EM NOSSO CORAÇÃO O DESEJO DE PROSSEGUIRMOS MOTIVADOS E MOTIVANDO AQUELES QUE ESTÃO À NOSSA VOLTA. Se mesmo diante das intempéries que ocorrem conosco, não soubermos prosseguir com fé, a fadiga e a falta de ânimo irão nos sufocando. É preciso ser inspirados pelo Espírito de Deus que renova a nossa vida e nos faz enxergar sempre um momento novo se descortinando entre nós. O ESPÍRITO SANTO ESTÁ CONOSCO DESDE O DIA DO NOSSO BATISMO. Celebrar a dádiva de Pentecostes é uma grande ocasião para recordarmos esta certeza e prosseguirmos confiando n’Ele. Os gestos e as atitudes de São Paulo, expressas na primeira leitura de hoje, endossam isto muito claramente (1ªleitura – At 19,1-8). Diante de alguns incrédulos e pessimistas, Paulo, falando com convicção, impondo as mãos, fazia perceber que o Espírito reanima e faz alcançar a coragem e a certeza de que Jesus venceu o mal e nos ajuda a vencermos também. NO INÍCIO DE MAIS UMA SEMANA, PREPAREMO-NOS PARA RENOVAR A PRESENÇA DO ESPÍRITO SANTO QUE VEIO ATÉ NÓS NO NOSSO BATISMO E SEMPRE VIRÁ PARA SOPRAR OS DONS DE SEU AMOR. E quando experimentarmos a alegria e o alento que vem do céu, estaremos mais uma vez certos de que Deus nos faz abraçar a sua real e sempre manifesta felicidade no meio de nós. Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

DOMINGO DA ASCENSÃO DO SENHOR (ANO A): “Eis que eu estarei convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28,16-20).

Celebramos hoje um importante dogma de nossa fé: A VERDADE INCONTESTÁVEL DE QUE JESUS SUBIU AO CÉU, APÓS 40 DIAS DE SUA RESSURREIÇÃO. O evangelho hoje nos narra a ordem que Jesus deixou aos discípulos e a cada um de nós: “IDE E FAZEI DISCÍPULOS MEUS TODOS OS POVOS”. Prestes a voltar ao convívio do Pai, Jesus mostra seu cuidado e zelo para conosco. CELEBRAR A ASCENSÃO DO SENHOR NÃO É APENAS NOS VOLTARMOS A UM FATO HISTÓRICO E BÍBLICO, COMO SE FOSSE MAIS UMA DATA COMEMORATIVA DENTRE TANTAS QUE CONHECEMOS. A ASCENSÃO DO SENHOR É UMA OCASIÃO DE ALEGRIA E DE ESPERANÇA PARA A HUMANIDADE. O DEUS QUE SE FEZ HOMEM, QUE ASSUMIU NOSSA CONDIÇÃO HUMANA AGORA ELEVA ESTA MESMA CONDIÇÃO, LEVANDO-A PARA O CÉU. Mas continuemos dando conta de nossas vidas neste mundo. Para nossa continuidade no plano do projeto de Deus, Jesus nos capacitou até o último instante. Neste dia, ouçamos com carinho as ordens de Jesus e nos perguntemos se estamos fazendo por onde associarmos a nossa vida com a missão de irmos ao encontro daqueles que estão perto de nós e são hoje o nosso mundo a ser evangelizado. Por isso, peçamos força e coragem para darmos conta de tudo aquilo que nos é proposto. JESUS VOLTOU AO CÉU, MAS NÓS CONTINUAMOS NA TERRA. Muito temos a fazer por aqui. Não esperemos a graça “cair de bandeja” à nossa frente. Façamos a nossa parte. Eis a lição que nos inspira também a primeira leitura (1ª leitura – At 1,1-11): “homens, porque ficais parados, olhando para o céu?”. É NO ANÚNCIO E NO COMPROMISSO COM O REINO DE DEUS E SUA JUSTIÇA QUE AS COISAS BOAS SURGEM A TODOS NÓS. Tenhamos discernimento e sabedoria, a fim de observarmos com o nosso coração que Jesus voltou ao Pai e está sentado à sua direita, mas continua presente em nossas atitudes de amor e de fraternidade (2ª leitura – Ef 1,17-23). A ASCENSÃO DO SENHOR É MOTIVO PARA FAZERMOS POR ONDE SERMOS TAMBÉM ELEVADOS AO CÉU. Eis o recado de Deus hoje a nós. Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam

SÁBADO DA 6ª SEMANA DA PÁSCOA (ANO A): “Se pedirem ao Pai em meu nome, Ele dará a vocês” (Jo 16,23-28).

Muitas vezes em nossas relações com as pessoas, somos recomendados a falar com alguém através da recomendação de uma pessoa próxima ou mesmo de um amigo. “Pode falar com fulano em meu nome...”. E assim torna mais favorável o acesso a tal pessoa, também em consideração ao amigo que nos recomendou. A mesma coisa acontece na nossa relação para com Deus. SEM VERMOS OU OUVIRMOS DIRETAMENTE, DEUS SE DEIXOU CONHECER ATRAVÉS DE SEU FILHO JESUS. Deus, que era alguém tão longe, como constatamos no antigo testamento, alguém que apenas se ouvia a sua mensagem, a partir de Jesus, tornou-se nosso amigo íntimo e companheiro de caminhada. EM NOSSAS ORAÇÕES A DEUS, É PRECISO PEDIR EM NOME DE JESUS. Em nossas missas isto é muito claro e fácil de perceber quando o padre reza sempre dizendo: “por Cristo, nosso Senhor” e ainda no grande ofertório: “Por Cristo, com Cristo e em Cristo...”. JESUS É O ÚNICO E VERDADEIRO MEDIADOR ENTRE DEUS E A HUMANIDADE. EM JESUS, NÃO FOMOS APENAS RECOMENDADOS, MAS FOMOS SALVOS E LIBERTOS. JESUS NOS CREDENCIOU A ENTRARMOS EM COMUNHÃO COM O PAI. Foi Jesus quem revelou a nós a paternidade de Deus. E quando falamos ao Pai em nome de Jesus, o Pai imediatamente nos reconhece, porque quem conheceu Jesus e o experimentou em sua vida, conheceu o Pai e o experimentou. O PAI NOS ACOLHE COM IMENSO AMOR, NOS CERCA DE TODA SUA TERNURA E BONDADE, E NOS ACOLHE COMO SEUS POR CAUSA DO SEU FILHO JESUS. Ao lado do Pai está Aquele que tornou-se o nosso Intercessor para Sempre. Podemos dizer e até imaginar que, Deus Pai, ao acolher nossas orações, em nome de Jesus, olha com carinho e amor para o Filho ao seu lado e este, com um leve sorriso acena com amor. Que seja este sentimento a fortalecer a nossa espiritualidade. É conhecendo Jesus que nos tornaremos semelhante a Ele. Sigamos o exemplo de Paulo e Apolo (1ª leitura – At 18,23-28). Falavam com entusiasmo e com este mesmo entusiasmo eram aceitos como cristãos. Que assim seja também conosco! Padre Aureliano Gondim. #GotasQueEdificam